AMAGGI: Cinco características que fizeram a empresa expandir

0

Quarenta e dois anos atrás. Foi quando começou a história da holding Amaggi, que em 2018 registrou lucro líquido de R$ 804,8 milhões, segundo o Diário Oficial do Estado de Mato Grosso. Consolidada como a 39ª empresa entre as 500 maiores de vendas do Brasil (e subindo!), a companhia foi iniciada em São Miguel do Iguaçu (PR), com a Sementes Maggi, fundada por André Maggi, sua esposa, Lucia Maggi, e o filho, Blairo Maggi.

Mas, como um investimento familiar iniciado no interior do Paraná conta hoje com atuação internacional, lucro tão alto e escritórios em países como Holanda, Suíça e Argentina? O caminho da Amaggi, sem dúvidas, é impressionante, e reflete bem como atingir o sucesso por etapas. Ações realizadas pelo grupo podem servir como exemplo para novos produtores que buscam, assim como o patriarca da marca, André Maggi, expandir e prosperar através da agricultura.

1. Não ter medo de arriscar

Em 1979, a Sementes Maggi adquire sua primeira propriedade em Mato Grosso. Na Fazenda SM1, em Itiquira, foi dado início ao contínuo e consistente processo de evolução das atividades da empresa.

Em 1984, a Amaggi muda sua sede para Rondonópolis (MT) e se ramifica em outros setores, passando a atuar também no segmento de energia. Atualmente, a empresa possui quatro companhias: AMAGGI Commodities, AMAGGI Agro, AMAGGI Navegação e AMAGGI Energia. 

2. Atuar em outros setores do mercado

Em quarenta anos de mercado, além de sementes, a empresa se moldou também nas áreas de trading, transporte fluvial, beneficiamento de soja, geração de energia e na área financeira. Todos são, de alguma forma, ligados ao mercado agro e influenciam e/ou auxiliam a produção de alguma forma. 

Na AMAGGI AGRO, é produzido soja, milho e algodão em grande escala, gerando mais de 1,1 milhão de toneladas de grãos e fibras produzidos em aproximadamente 280 mil hectares. 

Na AMAGGI COMMODITIES, é realizado a compra e venda de grãos (soja e milho), e também a importação e comercialização de insumos agrícolas.

Já na AMAGGI Logística e Operações, é realizado o controle de operações de navegação. É onde a empresa administra o Corredor Noroeste de Exportação, formado pelos rios Madeira e Amazonas, onde são escoados os grãos das regiões noroeste de Mato Grosso e sul de Rondônia. 

Com potência instalada de aproximadamente 70MW, a AMAGGI ENERGIA é responsável por administrar cinco pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), localizadas no estado do Mato Grosso.

3. Vislumbrar outros países

Em 2009, a Amaggi inaugura um escritório em Roterdã, a segunda maior e mais importante cidade da Holanda. No ano seguinte, adquire 51% das ações da norueguesa Denofa que opera no processamento de soja, e assim, amplia sua presença na Europa. Em 2014, acontece a abertura do escritório comercial em Lausanne, na Suíça, e aquisição de 100% da Denofa S.A pela AMAGGI. 

4. Produção com sustentabilidade

Desde quando investiu na produção agrícola, a AMAGGI manteve um posicionamento bem refletido sobre práticas sustentáveis e cuidado com a natureza. Em 2009, a empresa adotou as diretrizes da Global Reporting Initiative (CRI) para o relato da sustentabilidade, e no ano seguinte, renovação a ampliação do escopo da certificação ambiental ISO 14001. 

Em 2012, ela se consolidou como a primeira empresa brasileira com certificação da International Sustainability & Carbon Certification (ISCC) – Energias Renováveis / Biomassa. Nos anos seguintes, recebeu diversas certificações e em 2014, foi destaque no Guia Exame de Sustentabilidade e o presidente da companhia discursou no Global Compact Leaders Summit.

Além disso, a empresa criou em 2016 a Amaggi Responsible Soy, para produtores rurais parceiros que se adequem à padrões de produção sustentável em suas fazendas. No ano seguinte, foi elaborado o Posicionamento Global de Sustentabilidade da companhia. 

5. Implementação de tecnologia

A AMAGGI sabe que para produzir mais e manter a qualidade da fazenda, é necessário investir também em tecnologia. Por isso, a empresa investe na chamada Agricultura de Precisão (AP), técnicas e metodologias que visam aperfeiçoar o manejo das culturas e potencializar áreas produtivas.

Tais tecnologias regulam também a utilização dos insumos agrícolas, permitindo o uso racional de corretivos, fertilizantes e de defensivos agrícolas, reduzindo assim progressivamente os impactos ao meio ambiente.


Pedro Valente - Amaggi

Conhecendo bem a história da AMAGGI e sabendo como ela pode ser inspiração para diversos produtores, convidamos Pedro valente, diretor agrícola da empresa, para ser palestrante do Strider Day 2019, que acontece nos dias 01 e 02 de agosto, em São Paulo.

Sendo um marco no calendário do agro, o evento vem abordando os temas GESTÃO e TECNOLOGIA, e traz grandes nomes do mercados para compartilhar cases e técnicas de como ter uma produção bem estruturada, envolvendo uma boa gestão na produção.


Ingressos Strider Day 2019

Compre seu ingresso para o sDay 2019. Assine a Revista Strider gratuitamente.

Acompanhe-nos também no FacebookInstagramLinkedIn.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.