Controle fitossanitário: a entrega digital em um clique

0

A entrega digital em apenas um clique já é realidade. Com o monitoramento da lavoura por meio de softwares, produtores conseguem ter um panorama do cultivo com um toque na tela e, dessa forma, estarem preparados para tomar decisões precisas e que tornam o processo mais econômico. 

“Quando o assunto é estar preparado, a tecnologia, sem sombra de dúvida, se torna um dos pilares que sustentam a tomada de decisões de forma precisa e, o mais importante, no timing correto”, explica Carolina Marini, Consultora do Sucesso do Cliente da Strider. Segundo ela, uma plataforma que pode ser acessada em diversos dispositivos e é capaz de dar insights sobre a fazenda promove segurança sobre o trabalho e dá continuidade de uma safra a outra. Além disso, o controle fitossanitário é facilitado, já que não há tantos intermediários, e os dados são registrados e georreferenciados. O tempo entre coleta, análise e ação se torna muito menor.

controle fitossanitário

Carolina diz que produtores e empresas que abriram as portas para a agricultura digital passam a conhecer melhor seu negócio e tornam a informação sua aliada, modernizando processos, otimizando gastos e promovendo o reconhecimento do trabalho de seus colaboradores. “Em resumo, a tecnologia tornou o mundo globalizado e, consequentemente, as atividades e os desafios de uma empresa passaram a fazer mais sentido a todos os envolvidos”, conclui.

Controle fitossanitário com o Protector

A nova versão do Protector, software de monitoramento digital da Strider, fornece dashboards que revelam incidência de pragas, eficiência operacional dos técnicos, eficácia das aplicações de defensivos, NDVI, entre vários outros indicadores.  

O Consultor Líder da Strider João Daniel Aquino conta que os dashboards fornecem dados suficientes para que o agricultor saiba qual defensivo é necessário e quando aplicá-lo. “Você tem mais informação para tomar uma decisão assertiva de qual produto usar e quando usar. Isso é novo e ajuda a entender o histórico do talhão”, afirma. 

controle fitossanitário

A Sementes Cotrijal, em Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, utiliza o Protector no monitoramento de pragas, doenças e plantas daninhas, além de análises de NDVI, nos campos de multiplicação. “O principal objetivo do uso do Protetor é para coleta das amostras para o teste de tetrazólio em pré-colheita nos campos de multiplicação. Com ele, é possível indicar os pontos de amostra e observar o caminhamento ao longo do talhão”, explica Marcela Lange, engenheira agrônoma e responsável técnica da Cotrijal. “Garantimos rastreabilidade e representatividade das amostras”, finaliza.


Assine a Revista Strider gratuitamente. Leia mais notícias e novidades no Blog Por Dentro do Agro.

Acompanhe-nos no FacebookInstagramLinkedin.



você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Vem aí o Digital Talks! O 1º evento online sobre agricultura digital, inteiramente gratuito.